sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Cheguei, mas meu coração não - Uma carta ao meu coração.

Quarta feira, dia 11/12/13, as 4 da manha, ele, os olhos verdes, me acorda com a voz tremula, arrumado, de mala pronta, me diz "Good bye, see you soon.", me abraça, me beija. Eu ambriagada de sono, não choro, não sinto nada, estou anestesiada. Digo que nos veremos de novo, o abraço, não quero que ele vá sem saber... sem saber que nos veremos de novo.  Entao o elevador abre as portas.

Volto pra cama, me dou conta de que não irei ve-lo tão cedo, e algumas lágrimas finalmente caem. E agora?
Fico triste, me sinto doente, não consigo dormir. Finalmente o cansaço me vence e então durmo.
Acordo naquele dia frio... Decido que preciso dizer até logo pra cidade. Decido que não seria um adeus. Decido que tenho que ficar bem.

Passeio sozinha por NYC, faço as ultimas tarefas, pego o metro, almoço sozinha, tento guardar todas as memórias. Ja me sinto tão em casa ali, ja me adaptei.

Volto para o apartamento bem antes da shuttle me pegar, quero descansar e não ter a sensação de que estou indo embora de vez.

Quando chego no aeroporto as lagrimas vem de um jeito incontrolável. Não consigo disfarçar, não consigo segurar. Não ha nada que me ajude a não ser deixá-las cair... Minhas pernas não querem obedecer os comandos de ir. Algo quer que eu fique... meu coração. Ele é teimoso e não quer sair dali jamais.

Eu tenho uma familia linda, amigos no Brasil que amo muito. Mas nos lá, aaah, eu me refiz, me recriei. Doeu, e aprendi... Lá o meu coração foi só meu, sem medo de ninguem, ele criou vida pois não tinha medo, ou melhor, medo até tinha, mas eramos eu e meu coração, tinhamos que ser fortes.
Fiz as amizades mas honestas, sinceras... As fiz de coração. Amei os amores mais complicados, e amei de coração. Cuidei dos meus pequenos com amor, mais de irmã do que de mãe, mas amei de coração.
Ah, esse tal de coração, criou vida, não?

E agora, cheguei, desci do avião. Peguei as malas, empurrei o carrinho. Dei aquele abraço de saudade acumulada. Me senti partida.
Cade ele? Onde voce foi coração? Por que não me acompanhou? Agora estou aqui, fisicamente e voce, voce está lá... e acho que lá vai ficar. Lá na California, e uma parte em NY.

Lembre-se de mim, coração. Venha me visitar um dia. Saiba que eu estou aqui, e que estou feliz por tudo, que me sinto muito bem, que me sinto realizada. Saiba que não foi um sonho e que voce pode voltar. Saiba que os de lá sabem e sempre saberão que voce os ama. Eu já deixei bem claro.
Venha pois temos muitas coisas pra fazermos juntos. Não tenha medo coração... Aqui estão seus velhos amigos.
Venha e saiba que muitos dos seus desejos já foram realizados. Venha, que muitos desafios te esperam.

666 dias... Talvez seja sorte?

Seja bem vinda novamente, Carol